Pular para o conteúdo principal

O SIGNIFICADO DO JARDIM ZEN

Resultado de imagem para O JARDIM ZEN
O SIGNIFICADO DO JARDIM ZEN
O Jardim Zen representa o universo e foi concebido para inspirar vitalidade e serenidade. Representa o caminho da vida com as suas mudanças, os altos e os baixos, contratempos e obstáculos, o claro e o escuro, a luz e a sombra. Permite e o descansar da mente ao concentrarmos-nos num único ponto. Tranquiliza a ansiedade e os medos.
A filosofia Zen tem por objectivo a expansão de nossa consciência.
Zen, ensina-nos a comprometer e a reconhecer os passos que tomamos para avançar no sentido de um entendimento que nos leva a uma suposto iluminação distante.
Imagem
Este pequeno jardim Zen japonês ou outro, leva a que se possa criar, permite-nos refletir sobre os nossos sentimentos mais profundos, através da concepção e modelos que podemos usar . As pequenas coisas se tornam importantes quando temos a oportunidade de vislumbrar o sentido do mundo num grão de areia , uma vez que foi criado na simplicidade mais perfeita . Permite, ele vai acalmar a mente , refrescar nossas almas e trazer-nos mais perto da realidade da nossa natureza mais secreta . Por trás deste jardim em miniatura há sempre disciplinado esforço e desenvolvimento espiritual. Para os japoneses , é um instrumento de meditação e relaxamento, enquanto no Ocidente é considerado um antídoto para o stress da vida moderna.
Nós podemos mudar a forma como inúmeras vezes , a remoção de rochas , alisando pedras , mais uma vez colocando os elementos , e traçando sulcos que representam novas oportunidades para continuar em nosso caminho , dando-nos a oportunidade de renovar a cada experiência.
Imagem
ELEMENTOS PRESENTES NO JARDIM ZEN:
Terra – Areia
Representa a plataforma sobre a qual nós existimos. É considerado como um dos elementos que absorve, transmuta e recicla a energia através do seu magnetismo. Este elemento ajuda a neutralizar as frequências nocivas e todos os pensamentos, emoções e atitudes.
Cria assim uma atmosfera de tranquilidade e serenidade.

Pedras – Rochas
As pedras representam os obstáculos e os contratempos que enfrentamos ao longo da nossa existência, não importa o quão grande ou pequeno eles sejam sempre nos deixam uma lição. Nada acontece por acaso, tudo tem uma razão de causa-efeito . As rochas simbolizam as experiências e os passos da vida.

Pedras – Cristais de Quartzo
Os cristais são seres vivos da Terra com qualidade especial para receber, armazenar e transmitir energia positiva. No Jardim Zen, os cristais atuam como geradores de energia permanentes, ajudam a criar uma sensação de harmonia e equilíbrio nos espaços e as pessoas.
A transparência do vidro revela a luz do entendimento, mostra a transparência, a simplicidade, a humildade e a modéstia.

Conchas e Caracóis
Representam o contato com o mar. A mente não se esquece de observar e absorver a tranquilidade e a paz que é percepcionada perto do oceano. Esta é a serenidade que se procura tanto internamente como externamente.

Velas
Iluminam o caminho a seguir. Ao focar na chama – Luz, observa-se os sulcos que significam os próprios caminhos, obtemos a clareza que vem da calma e da meditação silenciosa.

Incenso
serve para harmonizar e trazer bons fluídos para o ambiente. São misturas de ervas, aromas, ou seja, misturas de componentes alquímicos que possuem a função básica de elevar espiritualmente, tanto o ambiente como o próprio ser, servindo como agente mediúnico das intenções humanas ao Astral.
É utilizado à muito tempo por diversas crenças e religiões ao redor do mundo
Fonte:https://demimatravesdemim.wordpress.com/2014/03/26/o-significado-de-jardim-zen/
Uma área externa perfeita para relaxar, recarregar as energias do corpo e da mente. Esses são os propósitos do jardim zen ou jardim japonês, como também é conhecido entre os apaixonados por paisagismo e decoração de exteriores. Para ter um espaço do tipo não é critério contar com muito espaço disponível. Mesmo em locais mais reduzidos é possível conquistar o tão sonhado jardim zen com direito até a uma linda, tranquilizadora e compacta fonte.
A montagem de um espaço do tipo pode ser realizada tanto na decoração do lar, para incentivar os moradores a se desprenderem um pouco da correria do dia a dia, quanto em locais corporativos, para amenizar a carga obtida no trabalho. 

Como fazer um jardim Zen em 10 passos

jardim Zen como o conhecemos hoje tem as suas raízes no século XIII, mas os princípios que os orientam são tão verdadeiros atualmente como eram ontem. Criar um espaço destes, que se quer tranquilo e esteticamente agradável, é uma experiência tão serena e gratificante como é a sua própria manutenção.
O principal objectivo de um jardim Zen, ou “jardim seco”, é ser um local de meditação e de contemplação. Uma das suas grandes vantagens é que não precisa de muito espaço para criar um – pode ser no exterior da sua casa ou até no interior – o mais importante não é o seu tamanho, mas sim os elementos que o compõem. Na criação do seu primeiro jardim Zen há três aspectos essenciais a considerar: o espaço, a fluidez e a simplicidade.
  1. O primeiro passo é decidir o local e o tamanho do seu jardim Zen, considerando o espaço que tem disponível e o tempo que terá para se dedicar a esta pequena maravilha da natureza. Pode disponibilizar uma parte do seu quintal ou começar por um jardim Zen miniatura que possa colocar em cima da sua secretária, por exemplo. Não se esqueça que o jardim Zen é, acima de tudo, um lugar de paz, por isso, se tiver crianças ou animais de estimação, considere bem a sua localização. Os passos a seguir serão os mesmos, embora a escalas diferentes.
  1. A maioria dos elementos necessários para criar um jardim Zen pode ser adquirida em lojas de jardinagem, de bricolage e de ferragens. O que vai precisar para começar:
    • Madeira ou um recipiente grande
    • Pregos, parafusos ou cola para madeira
    • Ferramentas apropriadas
    • Material de protecção contra as ervas daninhas
    • Ancinho 
    • Areia, gravilha, rochas, pedras e outros elementos decorativos
    • Iluminação
    • Paciência
  2. Utilizando os tamanhos de madeira adequados, crie o molde desejada para conter a areia e os outros elementos que irão compor o seu jardim Zen. Utilize as placas de madeira compridas para construir uma caixa suficientemente funda para acolher cerca de dez centímetros de areia. Depois de construído o molde – que pode ser quadrado, rectangular ou octogonal – pode pintar ou envernizar a madeira para obter um acabamento mais perfeito. Se a ideia é ter um jardim Zen miniatura, pode construir o seu próprio molde em madeira ou escolher entre uma variedade de recipientes adequados. Se preferir um recipiente em vime, por exemplo, será necessário forrá-lo com um plástico para impedir que a areia se solte.
  1. Os jardins Zen seduzem, principalmente, pela sua limpeza e linhas simples, por isso, se está a construir um no exterior, precisa de proteger este espaço contra as ervas daninhas. Para evitar que as ervas daninhas destruam o seu jardim, forre o molde com plástico preto, com várias camadas de jornais ou uma barreira própria contra ervas daninhas, que pode comprar em lojas especializadas.
  1. Encha o recipiente com areia até cima, colocando uma boa camada no fundo. Utilizando o ancinho, distribua a areia uniformemente. Se quiser, pode juntar gravilha para dar uma maior consistência e equilíbrio à areia. Cada um dos elementos encontrados num jardim Zen tem o seu próprio simbolismo, sendo que a areia e a gravilha representam a água que, por sua vez, simboliza a paz e a tranquilidade da mente e do espírito.
  1. As rochas são peças fulcrais num jardim Zen e simbolizam as montanhas como elemento predominante da natureza. A estas juntam-se pedras decorativas de cores, tamanhos e texturas variadas; pequenos troncos, com ou sem musgo; um elemento verde como uma planta ou um bonsai; estátuas, lanternas, pontes ou elementos com água. O próprio ancinho é muitas vezes uma peça que também decora o jardim. No fundo, pretende-se um cenário visualmente agradável, por isso, experimente com os diferentes elementos, sem encher demais o espaço. Um jardim minimalista vai acentuar a fluidez das linhas e dos objectos.
  1. As rochas e as pedras ficam melhor se as submergir, parcialmente, na areia. Não as coloque no centro do recipiente, mas sim, mais para os lados. Diz-se que para ter sorte, deve utilizar um número de pedras impar, posicionando-as assimetricamente. Os budistas acreditam que cada pedra tem uma “face feliz”, ou seja, examine-as de cada ângulo para determinar o seu “melhor lado”. Tradicionalmente, os arranjos Zens são compostos por cinco grupos de três pedras cada. Faça experiências para ver como gosta mais e não se esqueça que a ideia é manter o jardim o mais simples possível.
  1. As luzes e as sombras emprestam um ar muito peculiar e até misterioso aos jardins Zen, tornando possível a usufruição do espaço à noite. Pode adicionar alguns pontos de luz eléctrica (as lâmpadas coloridas são uma opção interessante) ou velas, para um efeito visual espectacular, principalmente, debaixo das estrelas!
  1. Com recurso ao ancinho “penteie” a areia, formando os mais diversos padrões: um desenho comprido e curvado representa águas agitadas, enquanto que as linhas rectas simbolizam águas calmas. Varie, criando efeitos diversos na areia para poder acentuar diferentes partes do jardim ou para renovar o seu aspecto geral. Altere o seu visual as vezes que quiser!
  1. Agora é só desfrutar do seu jardim Zen – perca-se na sua beleza, enquanto relaxa e medita. O próprio trabalho de manutenção e de experimentação é um poderoso anti-stressante e deve ser divertido. Pesquise e conheça outros jardins para se inspirar e obter novas ideias: adicione ou retire elementos quando quiser, altere os desenhos na areia, adapte o jardim ao seu estado de espírito. Bom proveito!
Fonte:http://omeujardim.com/artigos/como-fazer-jardim-zen-10-passos

ORIGEM HISTÓRICA DO JARDIM ZEN

Um jardim de pedras japonês (枯山水 Karesansui, em japonês), ou jardim Zen, é um campo raso de areia contendo areia, cascalho, pedras e muitas vezes grama ou outros elementos naturais. Os principais elementos de um karesansui são pedras e areia, com o mar simbolizado não por água, mas por areia revolvida em desenhos que sugerem ondulações na água. As plantas são pouco importantes (e às vezes, inexistentes) em muitos jardins karesansui. Muitas vezes, mas não sempre, os jardins saresansui são projetados para serem vistos de uma única perspectiva e as rochas são muitas vezes associadas com montanhas chinesas, recebendo seus nomes daí.

O jardim karesansui no Templo Ryōan-ji


Pequeno jardim de pedras manual.
Existe um famoso jardim de pedras japonês no Templo Ryōan-ji em Quioto. Ryoanji é um templo que pertence à escola Myoshinji da Escola Rinzai de Zen, famosa por seus jardins Zen.
O jardim foi construído no estilo karesansui. Ele mede 30 metros na direção leste-oeste e dez metros na direção norte-sul. Não há árvores, apenas 15 rochas de formatos irregulares e tamanhos variáveis, algumas das quais, circundadas por musgos, e organizadas em um leito de cascalho branco revolvido diariamente.
As pedras de vários tamanhos estão organizadas sobre pequenos seixos brancos e divididas em cinco grupos constituídos de cinco, dois, três, dois e três pedras. As 15 pedras existentes no jardim estão espalhadas de maneira que os visitantes só possam ver 14 delas por vez a partir de qualquer ângulo em que se olhe. De acordo com a lenda, apenas quando alguém obtém iluminação espiritual, como resultado de uma meditação Zen profunda, consegue ver a última pedra com seu olho do meio.
O jardim não é atribuído a nenhum autor em particular, ainda que se acredite que um artista chamado Soami (1480?-1525), juntamente com Daisen-in tenha desenhado e disposto o jardim. No entanto, os arquivos do templo são contraditórios e indicam mais alguns envolvidos, e nas costas de uma das quinze pedras estão escritos os nomes de Kotaro e Hikojiro, que podem ser dois dos trabalhadores responsáveis pela atual construção.

Organização


Pequeno jardim de pedras no Jardim do Chá japonês no Parque Golden Gate, em São Francisco.
Houve muitas tentativas de explicar a organização dos jardins Zen. Algumas delas são:
  • O cascalho representa o oceano e as pedras, as ilhas do Japão;
  • As pedras representam a mãe tigre com seus filhotes nadando em direção a um dragão;
  • As pedras formam parte do kanji para coração ou mente.

Jardim Zen

Os jardins de pedra japoneses tornaram-se conhecidos no Ocidente como jardins Zen. O termo provavelmente foi usado pela primeira vez em 1935 pela escritora dos Estados Unidos Loraine Kuck em seu livro 100 Gardens of Kyoto, e desde então recebeu uma denominação em japonês (zen niwa). O termo jardins zen também foi adotado para jardins mais naturais que utilizam o estilo japonês.

Fonte:Wikipédia

Postagens mais visitadas deste blog

O QUE É IKEBANA E COMO FAZER,PASSO A PASSO

A ikebana é originária da Índia, onde os arranjos eram destinados a Buda, e se personalizou na cultura nipônica, que a tornou mais conhecida. Em contraste com a forma decorativa de arranjos florais que prevalece nos países ocidentais, o arranjo floral japonês cria uma harmonia de construção linear, ritmo e cor. Enquanto que os ocidentais tendem a pôr ênfase na quantidade e no colorido das cores, dedicando a maior parte da sua atenção à beleza das corolas, os japoneses enfatizam os aspectos lineares do arranjo. A arte foi desenvolvida de modo a incluir o vasocaulesfolhas e ramos, além das flores. A estrutura de um arranjo floral japonês está baseada em três pontos principais que simbolizam o céu, a terra e a humanidade, embora outras estruturas sejam adaptadas em função do estilo e da escola. Dentre os mais diversos estilos de iquebana, destaca-se a Academia de Ikebana Sanguetsu. Esse estilo busca representar uma forma de se chegar ao equilíbrio, à simplicidade e à beleza. O sangue…

SILÊNCIO - UM SALTO PARA A COMUNHÃO - OSHO

Silêncio - Um salto para a comunhão
O mestre disse, "Não existe mente, então que tipo de estado você está buscando?" Isto é difícil de se entender. Pessoas vêm a mim e dizem: "Gostaríamos de alcançar um estado silencioso de mente".
Elas pensam que a mente pode ser silenciada; a mente nunca pode ser silenciada. Mente significa a confusão, o problema, a doença; mente significa a tensão, o estado de angústia. A mente não pode ficar em silêncio; quando há silêncio, não há mente. Quando o silêncio vem, a mente desaparece; quando a mente está lá, o silêncio não mais está. Então não pode haver mente silenciosa, assim como não pode haver doença saudável. É possível haver uma doença saudável? Quando há saúde, a doença desaparece. O silêncio é a saúde profunda; a mente é a doença profunda, o distúrbio profundo.
Buddha chamou o seu discípulo predileto, deu a ele uma flor e disse "Aqui entrego-te a chave". O que é a chave? Silêncio e riso são a chave - silêncio por dentr…

A HORA DO LOBO(EXCERTOS) - MONGE KOMYO

A Hora do Lobo (excertos), porMonge Kōmyō |

Existe um predador no interior de todos nós. Ele não existe para predar outras pessoas, mas para caçar a nós mesmos, devorando nosso discernimento, afastando a sabedoria. Foi criado a partir de nossos hábitos e padrões de comportamento insalubres, de nossas vaidades e egoísmos, e se alimenta de nossa energia mental, emocional e espiritual.
Como todo predador, ele não age aleatoriamente e sem estratégia; fica à espreita e somente nos domina quando estimulado pelas circunstâncias, emoções e pensamentos que excitem sua ira. E nesta hora, como afirma Thich Nhat Hanh, o grande mestre budista do zen vietnamita, fazemos coisas que não queremos fazer, dizemos coisas que não queremos dizer, pensamos coisas que não gostamos de pensar. Magoamos a nós mesmos e a outros, incapazes de agir com consciência plena. Esta é a Hora do Lobo, o momento em que caímos na mais lamentável cadeia de ações inconscientes e ignorantes, fundamentadas nos vícios de atitude qu…